terça-feira, 4 de setembro de 2007

ruínhá

não há trégua, não há.
não há cachoeira.
não há resgate.
não há, simplesmente, ar.
não há segunda chance.
não há o romance ideal.
não há, eu sei, não há.
não há mentira que sustente.
não há memória.
não há presente.
não há perdão, perdão.
não há esperança.
não há.

Nenhum comentário: